Marcelo Santos/Agência Fotos Públicas

2021: um ano, vários cenários

Por Bernardo Peixoto

Publicado em Economia e negócios | 07/02/2021

Grande parte dos analistas projeta uma conjuntura preocupante para os próximos meses. O cenário econômico e social vem se agravando devido ao retorno e aumento expressivo dos casos de contágio e de morte na atual pandemia, pelo que parece a temida segunda onda de infecção chegou.

Vale lembrar que a conjuntura de 2020 contribuiu para o agravamento de mazelas doloridas e difíceis de serem combatidas. Chagas estas, como a desigualdade social, que já eram ignoradas por modelos puros de meritocracia e potencializadas por sistemas ultrapassados, como o tributário, onde a carga sufoca os pequenos, seja pessoa física ou jurídica, e agrava o momento difícil em épocas de crise. O período atípico intensificou a fome, a miséria e a falta de oportunidade.

A velocidade do plano de aplicação das vacinas ditará o ritmo da recuperação econômica e da minimização dos impactos nas áreas de saúde e social

Para o primeiro trimestre de 2021, enxerga-se uma nuvem de elevada incerteza, sentimento este formado pela dicotomia entre torcer por um fim da pandemia e não desejar o uso de mais restrições. Mas, ao mesmo tempo, podemos ter esperança, já que mais de uma vacina teve eficácia no combate ao novo coronavírus. A velocidade do plano de aplicação das vacinas ditará o ritmo da recuperação econômica e da minimização dos impactos nas áreas de saúde e social.

Passado este início, possivelmente conturbado, e confirmadas as ações necessárias ao controle do vírus, podemos esperar um movimento de recuperação forte. O retorno à normalidade pode dar condições ao nascimento de um novo ciclo econômico positivo, ancorado pelos aprendizados da pandemia.

Em caso negativo, o agravamento da crise é o mais provável, com fechamento de estabelecimentos e aumento de desemprego. Por fim,  cabe a nós, representantes de setores com alta relevância na composição econômica do país, a busca e a luta por este cenário de impacto negativo minimizado, atuando de forma conjunta pelo interesse dos agentes econômicos.

Bernardo Peixoto

Bernardo Peixoto

Bernardo Peixoto dos Santos Oliveira Sobrinho é presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac-PE. Formado em engenharia civil, com especialização em saneamento básico, atuou também como juiz classista. Em 1983 entrou no segmento de livraria e papelaria, com a criação das Livrarias MEC, que funciona até hoje e é a maior rede de livrarias do Estado em número de lojas, com o nome de Rede Atacadão MEC. Desde 2002, também trabalha com agronegócios, na empresa Max Fruit.

Ver todos os artigos de Bernardo Peixoto

Uma resposta para “2021: um ano, vários cenários”

  1. Avatar Wladimir disse:

    Texto excelente.

Comente este artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *